• Nome popular: Abacate..
• Parte usada: Folha, fruto e semente.
• Propriedades terapêuticas: Diurética, carminativa, afrodisíaca, entre outros.
Indicações terapêuticas: Diarréia, disenteria, dor de cabeça, contusão, entre outros.
• Informações: O fruto e o caroço devem ser consumidos ainda frescos. A folha pode ser usada verde ou seca em geral para fazer chá.
O chá da folha do abacateiro é diurético. Evite tomar grandes quantidades diárias do chá (mais de dois xícaras/dia), pois sendo diurético pode reduzir muita a pressão arterial.
• Afrodisíaco: O macerado do caroço (sem a folha, nem cânfora) preparado com vinho branco ou álcool de cereais para se obter um extrato também é usado como afrodisíaco. Deixar em infusão durante pelo menos 20 dias em frasco de vidro escuro, protegido da luz. Procure agitar pelos menos uma vez ao dia. Depois de pronto pode-se tomar um cálice/dia.
• Creme para face ou mãos: Polpa do fruto maduro, mel de abelha. Amasse, faça uma massa cremosa (1/4 da polpa, uma colher de sopa de mel de abelha). Aplique e deixe cerca de 30 a 40 minutos. Retire com água fria. Use pelo menos duas vezes por semana.
• Dores de cabeça reumáticas e contusões: A folha e a semente picadas colocadas em repouso durante pelo menos cinco dias combate dores de cabeça, reumáticas e contusões. Infusão: uma colher picada de folha, outra de semente ralada, uma xícara de álcool de cereais a 60%, uma pedra de cânfora; aplicar nas partes doloridas com chumaço de algodão. Para uso tópico no local afetado.
• Cuidado: A polpa é muito rica em calorias e deve ser evitada por quem faz dieta para perder peso. Já para atletas e malhadores de academias, desde de que orientados, é uma boa fonte de energia.


• Nome popular: Açafrão da índia.
• Parte usada: Rizoma, semelhante ao gengibre.
• Propriedades terapêuticas: Antiinflamatória, antiagregante plaquetária, antiinfecciosa, antiasmática, entre outros.
• Indicações terapêuticas: Cálculo e vesícula biliar, fígado, colo de útero, feridas entre outros.
• Origem: É um planta da Índia. Gosta de solos úmidos, ricos e argilosos.
• Uso culinário: Tempero tradicional indiano e é usada por farmácias como corantes.
• Uso medicinal do açafrão caseiro: Este outro açafrão, chamado de açafrão cultivado, açaflor ou erva-ruiva.
Usam-se as raízes ainda para a circulação do sangue e como antihipertensivo, oralmente, por infuso de uma colher de sobremesa para cada xícara de água, uma a três vezes ao dia.
Os estigmas são usados também por infusão (15 estigmas por xícara de água), três xícaras por dia: aceleram a digestão.
• Contra-indicação: Não tomar mais que 10 gramas por dia (quatro colheres de sobremesa). Planta tóxica, grandes doses, podem dar alteração no sistema nervoso ou provocar abortos.


• Nome popular: Alcaçuz.
 • Parte usada: Raiz.
 • Propriedades terapêuticas: Laxante, regulador hormonal, expectorante, entre outros.
• Indicações terapêuticas: Conjuntivite, fígado, supra-renais, desequilíbrios hormonais, úlceras pépticas, baço, rins, hepatite, toxinas, difteria, tétano, garganta, entre outros.
• Origem: Europa e Oriente. O uso medicinal do alcaçuz é datado dos povos antigos do Egito, relatado em seus papiros.
• Uso medicinal; Doenças do fígado, supra-renais, desequilíbrios hormonais, úlceras pépticas entre outros.
• Mau-hálito e tosse:
Vinho medicinal: colocar em infusão, por 10 dias em um litro de bom vinho branco, 120 g de raízes de alcaçuz esmagadas, 60 g de sementes de anis e 60g de sementes de funcho. Filtrar o vinho e tomar seis colheres ao dia. Este vinho serve também para fazer bochechos, especialmente quando o mau-hálito é persistente. Também é eficaz contra tosse nesta dose.
• Uso culinário: É um flavorizante de doces, licores e sorvetes.
• Contra-indicações: Altas doses de alcaçuz podem reter sódio e eliminar potássio, retendo líquidos, causando aumento de pressão sanguínea e dores de cabeça. Extratos concentrados em laxantes podem agravar perda de potássio quando o uso é diário e prolongado. Evitar uso em grávidas, hipertensos e doentes renais.


 • Nome popular: Alcachofra.
 • Parte usada: Folhas, brácteas e raízes.
 • Propriedade terapêutica: Diminui o colesterol, digestivo, hepático, entre outros.
• Indicações terapêuticas: Doenças das vias biliares e hepáticas, diabetes, anemia, escorbuto, raquitismo, colesterol, hemorróidas, prostatite, entre outros.
• Origem: Sendo cultivadas no sul da Europa, Ásia, América do Sul e Brasil.
• Uso medicinal: O suco fresco é utilizado externamente para tratar eczemas e erupções cutâneas. O consumo da cabeça de alcachofra é excelente para quem sofre de anemia, pois é uma fonte muito rica em ferro. Por ter ação digestiva, auxilia também na prisão de ventre. Combate o escorbuto e o raquitismo pelo conteúdo de suas vitaminas.
• Indicada: Artérias endurecidas, colesterol e diurético.
Coloque uma colher (sopa) de folhas fatiadas em 1 xícara (chá) de água em
fervura. Deixe ferver por 5 minutos. Abafe por 10 minutos e coe. Tome uma xícara
(chá), dois ou três vezes ao dia, antes das principais refeições.
• Uso culinário: Lave muito bem uma cabeça de alcachofra, coloque em água suficiente para cozinhar adicionando uma folha de louro. Deve ser consumida ao dente, isto é, nem mole nem dura.
• Contra-indicações: Alérgicos à alcachofra.


 • Nome popular: Alecrim.
 • Parte usada: Folhas e flores.
 • Propriedades terapêuticas: Estimulantes digestivos, anti-sépticos, entre outros.
• Indicações terapêuticas: Dores reumáticas, depressão, cansaço físico, gases intestinais, debilidade cardíaca, cicatrização de feridas, problemas respiratórios, entre outros.
• Origem: Sul da Europa e Norte da África.
• Modo de uso: Infusão das folhas frescas ou secas na forma de compressas e na forma de pomada usando-se o suco concentrado.
• Dor de cabeça de origem digestiva: Em 1 xícara de chá, coloque uma colher de sobremesa de folhas picadas e adicione água fervente. Abafe por 10 minutos e coe. Tome uma xícara de chá antes ou após as principais refeições.
• Problemas respiratórios: Infusão uma xíc de cafezinho de folhas secas em 1/2 litro de água, tomar uma xíc de chá a cada 6 horas.
Usam-se ramos em armários para afugentar insetos, indicado em casos de esgotamento cerebral, excesso de trabalho e depressão ligeira. Seu uso à noite pode alterar o sono.


 • Nome popular: Alfazema.
 • Parte usada: Flores.
 •Propriedades terapêuticas: Anti-séptico, tônico, calmante, digestivo, antibacteriana, carminativa, entre outros.
• Indicações terapêuticas: Reumatismo, excitação nervosa, insônia, vertigens, contusões, feridas, inapetência, má digestão, asma, coqueluche, faringite, laringite, depressão, enxaquecas, bronquite, corrimento vaginal, prurido vaginal, sarna, piolho, entre outros.
• Propriedades terapêuticas: Anti-séptico, tônico do sistema nervoso, antiespasmódico, calmante dos nervos, digestiva, antibacteriana, carminativa, favorece o fluxo biliar. Para o uso externo: ligeiramente revulsivo, sendo empregada no reumatismo.
• Usos medicinais: Nevralgias, excitação nervosa, insônia, vertigens, contusões, feridas, inapetência, má digestão, asma, coqueluche, faringite e laringite.
• Óleo de alfazema: Em um recipiente, colocar três quartos de litro de um bom azeite e um punhado de flores frescas de alfazema. Fechar bem o recipiente e colocá-lo em um lugar fresco onde deve ser deixado por cerca de 20 dias. Também alguma gota de essência de alfazema sobre as têmporas e pulsos dará um grande alivio àquele que se sente cansado por excesso de trabalho.
• Contra-indicações: Seu uso dentro das doses preconizadas não tem contra-indicação. Nas mulheres grávidas deve-se evitar o uso em doses altas por ser estimulante uterino.
• Uso culinário: Conta-se como curiosidade que uma rainha inglesa gostava de conservas condimentadas com alfazema. Pode-se também fazer um vinagre de alfazema, macerando-se alguns caules da alfazema em vinagre branco por três semanas.
• Água de colônia: Deixar macerar, por vinte dias, 60g de sumidades floridas de alfazema em 1 litro de álcool de cereais a 60º. Filtrar e conservar a água-de-colônia em vidro fechado. Além de ser utilizada para fricções sobre o corpo, após o banho, serve também para desinfetar as mãos e banhar as têmporas e as narinas após ter-se estado próximo a um doente atingido por uma moléstia infecciosa, ou quando se está cansado e acalorado.


 • Nome popular: Alho.
 • Parte usada: Dentes.
 •Propriedades terapêuticas: Expectorante, antigripal, desinfetante, antiinflamatório, antibiótico, antisséptico, vermífugo, entre outros.
• Indicações terapêuticas: Bulbos depois de transformados em chá têm ação contra vermes e parasitos, hipertensão, picada de inseto, contra ácido úrico, gripe, resfriado, tosse, entre outros.
• Gripe, resfriado, tosse e rouquidão: Esmagar um ou dois dentes de alho dentro de um copo com água. Tomar um copo três vezes ao dia.
• Dor de ouvido: Amassar um dente de alho em uma colher de sobremesa de azeite morno. Pingar três gotas no ouvido e tampar com algodão.
• Contra-indicado: Problemas estomacais e de úlceras, inconveniente para recém-nascidos e mães em amamentação. Em doses muito elevadas, pode provocar dor de cabeça, de estômago, dos rins e até tonturas.


  • Nome popular: Amora.
 
Parte usada: Folhas, frutos, raízes e cascas.
 
Propriedades terapêuticas: Laxativa, sedativa, expectorante, refrescante, emoliente, calmante, diurética, antidiabético, antiinflamatória, tônica, entre outros.
• Indicações terapêuticas: Dor de dente, pressão sanguínea, tosse, prisão de ventre, inflamação da boca, febre, diabetes, dermatoses, entre outros.
Uso medicinal:
• Inflamações da boca: Espremer alguns punhados de amoras, ainda que não totalmente maduras, recolhendo o líquido em uma tigela. Fazer bochechos freqüentes com este suco diluído em pouca água.
• Dores de dentes: Em fogo moderado, ferver 40g de raízes de amoreira em meio litro de água, até que fique reduzida à metade. Depois de morno, filtrar o líquido e empregá-lo em bochechos.
• Diurético: Deixar em infusão, até amornar, um punhado de folhas secas de amoreira em um litro de água fervente. Filtrar o líquido, bebendo-o em calicezinhos durante o dia para que produza efeito diurético.
• Estômago: Ferver 20g de cascas de amoreira branca em meio litro de água. Filtrar o líquido e adoçá-lo, tomando-o em calicezinhos meia hora antes das refeições.
• Diabetes: Utilizando as folhas, uma xícara quatro a seis vezes ao dia.
• Contra-indicações: Não se deve consumir o fruto em caso de diarréia. Não se deve administrar as folhas nem raízes no caso de debilidade ou frio.
• Curiosidades: A amora é cultivada pelas suas folhas que são o alimento exclusivo do bicho da seda.


 • Nome popular: Anis.
 • Parte usada: Fruto-semente e folhas.
 • Propriedades terapêuticas: Digestivo, expectorante, carminativo, regulariza as funções menstruais, desinfetantes, entre outros.
• Indicações terapêuticas: Tônico estomacal, flatulência, regulariza as funções menstruais, melhora a digestão, catarros bronquiais, entre outros.
• Origem: Oriente Médio. Quando o Império Romano absorveu a cultura grega, também passou a cultivá-lo.
• Uso medicinal: As sementes de anis facilitam a digestão. Adoçada com mel, sua infusão alivia a flatulência além de aliviar a asma. Se a este mesmo chá for acrescentado funcho, obter-se-á um ótimo remédio para os catarros bronquiais.
O azeite que delas se extrai serve para matar piolhos, quando friccionado no couro cabeludo, e para acalmar as cólicas, em fricções no ventre.
A essência de anis serve também para aromatizar numerosos medicamentos, inclusive como corretivo para sabor de infusões onde se misturam ervas. Também é usado para compor incensos.
Tintura: 30g de sementes de anis em um litro de água quente, filtrar quando o líquido estiver morno.
• Contra indicações: O uso exagerado do óleo essencial pode provocar efeitos tóxicos. Contra-indicado em caso de alergia ao anis, anetol, na pele, trato pulmonar e gastrointestinal.
• Culinária: As sementes, por conterem óleo essencial, são excelentes para preparo de peixes, aves, cremes, sopas, molhos, bolos doces, biscoitos, frutas frescas, especialmente figos. As folhas já possuem aroma mais delicado. Pode-se consumi-las frescas na forma de salada, com vegetais ou queijos em creme.
• Curiosidades: Administrando-se às vacas, aumenta-se a produção de leite. Os animais são atraídos pelo seu aroma. Escondendo um pouco de sementes de anis, dentro de um pedaço de queijo, torna-se uma eficiente isca para as ratoeiras.


 • Nome popular: Arnica-Brasileira.
 • Parte usada: Folha.
 • Propriedades terapêuticas: Estomáquica, adstringente, cicatrizante, vulneraria entre outras.
• Indicações terapêuticas: Ferimentos, escoriações, traumatismos, contusões, entre outros.
• Origem: América do Sul.
• Uso medicinal: Tratamento de traumatismos e contusões. Aplicação direta sobre a área afetada com auxílio de um pedaço de algodão ou compressas embebidos na tintura ou maceração em álcool de suas folhas e rizomas.
• Contra-indicações: Por ser considerado tóxico, seu uso interno só, deve ser feito com indicação e acompanhamento médico.


 • Nome popular: Aroeira.
•  Parte usada: Cascas, sementes e frutos.
 • Propriedades terapêuticas: Adstringente, balsâmica, diurética, emenagoga, purgativa, estomáquica, tônica, vulneraria, antiinflamatória, fungicida, entre outros.
• Indicações terapêuticas: Azia, gastrite, febre, cistite, uretrite, diarréia, tosse, reumatismo, íngua, dor-de-dente, entre outros.
• Origem: Sul do Brasil.
• Uso medicinal: As cascas e folhas secas da aroeira são utilizadas contra febres, problemas do trato urinário, contra cistites, uretrites, diarréias, blenorragia, tosse bronquite, problemas menstruais com excesso de sangramento, gripes e inflamações em geral.
Em outros tempos, a aroeira foi utilizada pelos jesuítas que, com sua resina, preparavam o “Bálsamo das Missões”, famoso no Brasil e no exterior.
Externamente, o óleo essencial da aroeira brasileiro utilizado na forma de loções, gels ou sabonetes, é indicado para limpeza de pele, coceiras, espinhas, manchas, desinfecção de ferimentos, micoses e para banho.
Azia e gastrite. Utilizar os frutos cozidos de duas vezes, cada vez com meio litro de água. Beber em doses de 30 ml duas vezes ao dia.
• Uso culinário: O sabor suave e levemente apimentado da aroeira vermelha, bem como sua bonita aparência, de uso decorativo, permite o seu emprego em variadas preparações, podendo ser utilizada na forma de grãos inteiros ou moídos. No entanto, a aroeira é especialmente apropriada para a confecção de molhos que acompanham as carnes brancas, de aves e peixes, por não abafar o seu gosto sutil.
• Contra-indicações: O uso das preparações de aroeira deve ser revestido de cautela por causa da possibilidade de reações alérgicas na pele e mucosas.
• Curiosidades: Seus frutos são utilizados na Flórida para decoração de Natal, o que lhe conferiu a denominação de Christmas-berry.


•  Nome popular: Arruda.
•  Parte usada: Folhas e flores.
• Propriedades terapêuticas: Adstringente, analgésica, antiasmática, antiepiléptica, antiespasmódica, anti-helmíntica, anti-hemorrágica, anti-histérica, antiinflamatória, antinevrálgica, bactericida, calmante, carminativa, cicatrizante, entre outros.
Indicações terapêuticas: Normalização do ciclo menstrual, sarna, piolhos, conjuntivite, leximaniose, entre outros.
• Origem: Ásia. A arruda é uma planta de existência longa, que se renova a cada primavera. Suas folhas, de um bonito verde claro, contrastam com o amarelo-ouro de suas flores em ramalhete.
• Uso Medicinal: Conjuntivite. Decocção de duas colheres das de sopa de folhas em 1/2 litro de água por 5 minutos. Uso externo. Coar, esperar amornar e aplicar compressas de algodão várias vezes ao dia sobre os olhos.
Normalizar o ciclo menstrual.Socar em um pilão duas folhas grandes de Arruda e adicionar uma xícara de chá de água. Deixar em maceração por uma noite e coar no dia seguinte. Tomar em jejum durante os oito dias que antecedem a menstruação.
• Contra-indicações: Planta tóxica, venenosa e abortiva.
• Curiosidades: Michelângelo e Leonardo da Vinci afirmaram que foi graças aos poderes metafísicos da arruda que ambos tiveram sensíveis melhoras em seus trabalhos de criatividade. Na Idade Média, era muito usada em rituais religiosos, tida como erva de proteção contra feitiçarias. Por este motivo, é usada até hoje para espantar maus olhados.


 • Nome popular: Aveloz.
 •Parte usada: Látex retirado dos ramos.
 •Propriedades terapêuticas: Antiasmática, anticarcinogênica, antiespasmódica, antibiótica, antibacteriana, antivirótica, fungicida e expectorante.
• Indicações terapêuticas Tumores cancerosos e pré-cancerosos.
• Origem: África. No Brasil se adaptou bem na região Nordeste.
• Indicações: Na medicina alternativa é usado o suco (látex) leitoso cáustico, de efeito irritante na pele e aos olhos, porém o seu suco dissolvido em água é indicado para tratamento de tumores cancerosos e pré-cancerosos.
Pesquisadores americanos já se interessaram pelo aveloz e descobriram propriedades contra o carcinoma maligno, como complemento de outros procedimentos médicos.
• Toxicidade: Por ser altamente cáustico, o látex precisa ser diluído em água. O látex puro pode provocar até uma hemorragia.
Devido a sua toxicidade, o professor Lelington, químico-fitologista (UFPR), aconselha que o uso mais seguro do aveloz seja de glóbulos homeopáticos, pois tem o mesmo efeito das gotas e não agridem o estômago. Usar seis glóbulos sublingual de manhã e a noite.

Pessoas que sofrem de câncer podem tomar até três gotas de seiva do aveloz contra o câncer, diariamente.Tomar uma gota de cada vez em três vezes ao dia, em meio copo de leite, após as refeições. Assim se garante uma ação contínua. Tomar a seiva pura faculta uma cura mais rápida, mas deve-se continuar o tratamento até três meses após o desaparecimento dos sintomas. E mesmo depois voltar ao tratamento de vez em quando, por uns dois anos. Continuar o controle médico. Só ele pode declarar uma cura definitiva.


•  Nome popular: Azedinha.
•  Parte usada: Planta inteira.
• Propriedades terapêuticas: Antiescorbútica, laxativa, diurética, antiinflamatória, refrescante, tônico.
Indicações terapêuticas: Anemias, erupções cutâneas, retenção de urina, eczemas crônicos, verminoses, afecções biliosas, dores do abdômen, chagas, feridas, entre outros. Não confundir esta azedinha (Rumex acetosa L) com outra azedinha (Oxalis acetosella L.).
• Origem: Europa.
• Uso medicinal: Na medicina atual suas folhas frescas e cruas são utilizadas em casos de falta de apetite, casos de retenção de urina e como depurativo do sangue.
• Problemas de pele. Colocar duas colheres de chá da erva seca com um quarto de litro de água fervente. Deixar abafado por 10 minutos. A dose correta é de duas xícaras ao dia, não passar disso. O restante indevido deve-se utilizar para lavar o local afetado.
• Diurético. Infusão: verter um litro de água fervendo sobre uma porção de folhas picadas. Repousar 10 minutos. Tomar três calicezinhos ao dia.
• Contra-indicações: Não deve ser utilizado por pessoas que tenham artrite, reumatismo e cálculos. Mesmo assim seu consumo deve ser moderado, pois seus oxalatos e sais alcalinos podem levar a uma intoxicação. Vômitos, diarréias, dificuldade de engolir e urinar podem ser os efeitos da intoxicação.
• Culinária: Para o consumo são mais apropriados as folhas e brotos tenros antes da floração. O seu sabor ácido empresta às saladas sabor muito agradável. Porém fazer uso moderado. Não se deve cozinhar a azedinha em panelas de alumínio. Esta regra também vale para o espinafre.
Cozinha-se a azedinha como o espinafre, adicionando ovos batidos e manteigas. Uma sopa deliciosa pode-se fazer com a azedinha, fritando o alho em óleo e adicionando em seguida fubá. Ao dourar um pouco o fubá, acrescenta-se água e deixa cozinhar até engrossar o caldo. Ao fervido adicionar a azedinha picada e mexer um pouco.
• Curiosidades: Na Idade Média eram utilizadas as raízes como emoliente, para males do fígado e depurativo. Porém na medicina moderna já não é mais utilizada. Mas na medicina popular ainda é muito apreciada.


 • Nome popular: Agrião.
 • Parte usada: Folhas e caules frescos.
 • Propriedades terapêuticas: Depurativo, antidiabético, anti-raquitismo, expectorante , ungüento, cicatrizante,entre outros.
• O Agrião é uma planta conhecida e apreciada desde a mais remota antiguidade. è um vegetal riquíssimo em vitaminas e sais minerais.
Nele se encontra cinco vezes mais ferro do que na couve, na alface, e no salsão. Mesmo sobre o espinafre, o agrião leva vantagem, pela maior quantidade de ferro que encerra.
• Uso medicinal: Em uso externo é empregado na forma de cataplasma, na cicatrização de feridas.
Suas folhas na forma de salada são indicadas contra o bócio, anemia, tuberculose, diabetes, e como antídoto contra os efeitos tóxicos da nicotina.
Em uso externo no tratamento de problemas de pele (como sardas, acne, afecções, manchas, eczemas) e para problemas da mucosa bucal (aftas e gengivites).
O seu extrato alcoólico preparado com 2 colheres (de sopa) de folhas e talos amassados, 1 xícara (de café) de álcool de cereais, e 1 xícara (café) de glicerina.
 • Contra-indicações: Em excesso, pode provocar aborto, em virtude de sua forte ação sobre útero feminino.


 • Nome popular: Andiroba.
 • Parte usada:Fruto,casca e semente.
 •Propriedades medicinais: Antiinflamatória, anti-reumática, anti-séptica, cicatrizante, emoliente, hepática, inseticida, purgativa, repelente,entre outras.
Origem: Amazônia.
 • Uso Medicinal: A casca como as folhas, depois de cozidas são utilizadas como febrífugo e anti-helmínticas ou para lavagem das úlceras, contra impetigo e outras doenças.
O óleo das sementes friccionadas é usado para bursites e nevralgias, funcionando também como repelente de insetos.
As folhas e a casca podem ser usadas para fazer um chá que tem poderosa ação diurética e limpa rins e bexiga. É também carrapaticida, parasiticida, e está sendo testada no tratamento de câncer.
 • Contra-indicação: Desconhecido.


 • Nome popular: Açaí.
•  Parte usada: Amêndoas, raiz e frutos.Propriedades medicinais: Adstringente, anti-helmíntica, anti-hemorrágica, resolutivo, depurativo.
Indicações: Diarréia, fígado, icterícia, cirrose, anemia, vermes.
 • Origem: Amazônia.
 • O açaí tem baixo teor de açúcar e seu sabor é descrito como uma mistura de vinho tinto e chocolate. O suco de açaí é muito nutritivo e bom para a saúde. Rico em vitamina A, cálcio, fósforo e ferro
 • Contra-indicações: não foram encontradas.


 •  Nome popular: Abacaxi.
 • Parte usada: Casca e o fruto maduro.
 • Propriedades terapeuticas: Antiespasmódico, estimulante da respiração celular, laxativo leve, diurético. Possui uma substância chamada triptofano que tem efeitos positivos sobre o humor.Ajuda a tratar de: Afecções da pele (acnes, cravos e espinhas), chagas, esclerodermias, excesso de líquido no organismo, feridas, problemas digestivos, psoríases, úlceras.
 • Origem: América Tropical.
 • Uso Medicinal: Anemia - A acidez do abacaxi favorece, na digestão, a absorção de ferro. O anêmico pode, no intervalo das refeições, usar um pouco de suco de abacaxi diluído em água e adoçado com melado de cana.
Diurese - O suco de abacaxi é excelente diurético.
Inapetência - O suco de abacaxi, sem açúcar, tomado em pequena quantidade uma ou duas horas antes da refeição, ajuda a abrir o apetite.
Nefrolitíase - Para auxiliar na eliminação de cálculos, há tratamentos naturais específicos. O suco de abacaxi pode participar juntamente com outros sucos e chás. Pode-se passar alguns dias com dieta exclusiva de abacaxi, e tomar chás como o de quebra-pedra, folha de abacate, cana-do-brejo e cavalinha.
Convém, entretanto, seguir orientação médica para cada caso.
• DICAS CULINÁRIAS: Em pratos salgados, o abacaxi fica muito bom com carne de porco, peixes, crustáceos e aves de carne gordurosa.
Quando for fazer sorvete ou gelatina de abacaxi, ferva o suco e a polpa antes de preparar. Caso contrário, a fruta não se solidifica.
Os abacaxis que tiverem as folhas da coroa com espinhos são menos ácidos.
• CURIOSIDADES: Os índios da América costumavam pendurar folhas de abacaxi, ou mesmo o fruto, na porta das cabanas para indicar que as visitas eram bem-vindas.
A expressão "abacaxi", usada para designar um problema ou uma encrenca, vem da dificuldade que se têm de se descascar bem o fruto.
• Contra indicações: Evite o contacto com os olhos, pois pode causar ardor e irritação.


 • Nome popular: Ameixa.
 • Parte usada: Fruto fresco ou seco.
 • Propriedades medicinais: Ajuda a tratar de Afecções hepáticas (cálculos da vesícula biliar, hepatite, icterícia, fígado preguiçoso), digestão difícil, intestino preso e tosse.
Origem: Extremo Oriente.
 • Uso Medicinal: Arteriosclerose - Incluir copiosamente a ameixa fresca na alimentação ajuda a prevenir e a amenizar o processo.
Bronquite - Deve-se usar abundantemente a ameixa fresca e ameixa cozida. Misturar mel e própolis ao caldo do cozimento da ameixa e tomar uma colher de sopa de hora em hora.
Constipação intestinal - Tomar a 'água de ameixas': deixar de molho, durante a noite, algumas ameixas e de manhã tomar água e comer as ameixas.
Resfriado - descaroçar algumas ameixas secas e assar no forno. Quando estiverem bem duras, moê-las finamente. Acrescer uma colher de sopa deste pó a uma xícara de água quente. Pingar algumas gotas de suco de limão e adoçar com um pouco de mel. Tomar quente.
 • Contra indicação: Consumida em excesso, pode prejudicar os rins.


 • Nome popular:Alfavaca.
 • Parte usada:Folhas e flores.
• Propriedades medicinal:As folhas são ricas em vitamina A,B e C, é uma fonte de minerais (cálcio, fósforo e ferro); são sudoríferas e diuréticas, indicadas para os casos de ardor ao urinar e para compressas nos bicos doloridos das lactantes.Auxilia na boa circulação, pele, dores reumáticas, tosse e resfriados e ajuda a digestão.
Para Insônia: 1 colher de chá de folha em 1/4 de litro de água fervente, faça um infuso por 5 minutos. Coa e beba à noite antes de deitar.
Para dor no mamilo de lactantes: Infuso de 2 xíc de água fervente com 2 colheres de sopa de folha por 10 minutos.
Coe e aplique compressas.


 • Nome popular:Aquiléia.
 • Parte usada:Folhas, caules e flores.
 • Propriedades medicinal:As folhas são ricas em vitaminas e minerais. Combate dor de cabeça e má digestão (infusão das folhas); cólica menstrual, hemorróida, úlcera gástrica e gastrite (infusão das flores); coadjuvante no combate a cálculos renais, calmante, cardíaco, para hemorragias do nariz, facilita a menstruação, cólicas, intestino e rins, ajuda combater enurese nas crianças; bom para circulação.
• Infuso: 5 gs em 100 ml de água fervente por 10 minutos.
Tomar 3 vezes ao dia.
• Macerado: 5 gs em 100 ml de vinho branco por 10 dias.
Tomar um cálice pequeno 2 ou 3 vezes ao dia.
Efeitos colaterais: Não deve ser usado durante a gravidez.
Não indicado o uso interno prolongado para crianças.


 • Nome popular:Aneto.
 • Parte usada:Folhas e flores.
• Propriedades medicinal:Usado em dietas sem sal pois é rico
em sais minerais, combate flatulências, aumenta leite das mães, é um sonífero natural.
Aplicado em compressas alivia inflamações oculares.Bom para a digestão e para o fígado.
• Combate cólicas intestinais.
 Infuso- 2 gs de sementes em 100 ml de água por 10 minutos.
Tomar 3 vezes ao dia depois das refeições.
 Macerado- 4 gs em 100 ml de vinho branco por 5 dias.
Filtrar e tomar como infuso.
Para cólicas de nenês - chá com 2 colheres de chá de sementes em infusão de 200 ml de água por 15 minutos.
Adoce com mel.
Semelhante ao funcho, é adequado em marinado em molho de peixe e saladas. Os frutos, cheiro muito aromático são ideais para o vinagre, conservas, cogumelos e legumes em conserva.
Clareia a pele, endurece as unhas e perfuma o hálito.


 • Nome popular:Artemisia.
 • Parte usada:Folhas e flores.
 • Propriedades medicinal:Alivia anemias, cólicas abdominais, debilidades estomacais, diarréia, inflamação dos intestinos,entre outros. Possui propriedades diuréticas, sedativas, antiinflamatórias.
• Infuso : 2 colheres de sopa da erva para 1 litro de água.
Tomar no máximo três xícaras por dia.
Fricções do suco das folhas pode ajudar nas artralgias e dores reumáticas.
A artemisia é muito utilizada como moxa na terapia chamada moxabustão, difundida através da medicina tradicional chinesa e japonesa. A moxa, ou mogussá, é um extrato envelhecido, batido e seco das folhas dessa erva. Depois é utilizado tanto diretamente quanto indiretamente na pele em regiões com dores ou pontos de acupuntura. O princípio do tratamento é através do calor, mas ainda não são descartadas as propriedades curativas já conhecidas da planta.
• Outros usos: planta ornamental, repelente de insetos.


 • Nome popular:Avenca
 • Parte usada:Folhas.
 • Propriedades Medicinal:Diurético, sedativas, antiinflamatórias, expectorantes,no tratamento de
tosses,afecções bronquiais e rouquidão.
• Infuso : 2 colheres de sopa de folha picada para um litro de água fervente.
Cosmética O chá de avenca é excelente para lavagem e higiene do couro cabeludo, combatendo os males que atacam os cabelos.


  • Nome popular:Alcaparra.
  • Parte usada:Flores e raiz.
 • Propriedades terapêuticas:Aperitivo adstringente, diurético, digestivo.
O botão da flor da alcaparra é um ingrediente comum da cozinha mediterrânea, muitas vezes consumido em vinagrete como estimulante do apetite.
• São utilizadas na elaboração de molhos, vinagretes e preparação de comidas como pastéis de carnes, peixes, bacalhoada e outros frutos do mar.
Para os molhos, as mais valorizadas são as de tamanho pequeno, que não precisam ser picadas.
Ao contrário da maioria dos temperos, as alcaparras guardam seu aroma e seu sabor depois do cozimento e se misturam muito bem com a cebola e azeitonas para caracterizar os pratos mediterrâneos.